html Blog do Scheinman: Novo prédio do TJ

quarta-feira, 9 de abril de 2008

Novo prédio do TJ

Hoje saiu uma notícia na Folha esculachando o Tribunal de Justiça por ainda não ter sido ocupado o prédio locado lá na Avenida Ipiranga...
Pra quem não sabe, em substituição ao prédio da Av. Paulista, onde se situam os gabinetes de vários desembargadores, cujo contrato de locação se finda no mês de maio próximo, o Tribunal alugou o edifício onde encontrava-se instalado o antigo Hotel Hilton no centro de São Paulo.
Prédio tradicional, em forma de clindro, em frente ao Copan...
Não discuto aqui as condições do contrato, que não conheço. Só sei que ficou a cargo do locador adaptar o prédiò às necessidades do Tribunal. Acho que é um ótimo negócio, até mesmo para que os desembargadores fiquem próximos ao Centrão, não obstante a Folha faça menção ao fato de alguns magistrados encrencarem com o novo prédio estar situado próximo à "Boca do Lixo"... engraçado isso... Se fosse assim, o Palácio da Justiça ou o Fórum João Mendes não poderiam estar onde estão, né???? E os Fóruns da Barra Funda e do Lalau com aquele montão de motéis em volta? Hajam alicerces tamanha a tremedeira noturna...
A minha observação à notícia divulgada na Folha é específica no que concerne à crítica ao Tribunal "por ainda não ter sido ocupado o novo prédio"...
Lógico que o prédio novo carece de reformas, modificaçoes estas que cabem aos locadores.
O que deseja o jornal? Que os desembargadores despachem deitados nas suítes? que as copiadoras do Tribunal sejam acomodadas na antiga sauna do Hilton? ou que os processos fiquem arquivados na piscina??? De repente os processos de lavagem de dinheiro poderiam ser julgados na antiga lavanderia do hotel...
Tenha dó Folha de São Paulo!!!!
É obvio que uma mudança e adaptações carecem de tempo, especialmente quando estas ficam a cargo de terceiros. Não sei o que foi combinado entre o Tribunal e os senhorios do prédio, mas certamente os dirigentes do Tribunal Paulista não são ingênuos a ponto de não saberem exigir o cumprimento de obrigações contratuais a cargo dos responsáveis pelas obras.
É fácil para a Folha espinafrar em vez de elogiar a iniciativa do Tribunal de concentrar seus trabalhos no Centro da Cidade, inclusive a custo menor...
É isso.

Nenhum comentário: